RAMON FERNANDES APRESENTA SUGESTÕES AO PREFEITO ZÉ COCÁ DURANTE VISITA AOS BAIRROS KM 3 E KM 4

Visite nosso Instagram

terça-feira, 14 de outubro de 2014

ANS lança propostas para reduzir número de cesarianas

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) colocará em consulta pública, a partir de quarta-feira (15) duas resoluções para tentar diminuir o número de cesarianas na rede privada, especialmente entre os planos de saúde, que chega a 84,6% dos partos, em dados de 2012. Uma das medidas permitirá que as mulheres, grávidas ou planejando engravidar, recebam dos planos as estatísticas de cada médico obstetra, com o número de partos normais e de cesáreas realizadas. Também passará a ser obrigatório o preenchimento do partograma, um documento em que são colocadas hora a hora as informações sobre o avanço do trabalho de parto. "Sabemos, inclusive por casos próximos, da dificuldade que muitas mulheres têm de encontrar profissionais que façam o parto normal. Essas medidas pretendem dar mais informações às mulheres" , afirmou o ministro da Saúde, Arthur Chioro. As informações serviriam para que as mulheres pudessem optar por um médico mais inclinado a atender o pedido pelo parto normal. Já o partograma - que já existe hoje, mas passaria a ser um dos documentos de entrega obrigatória à paciente no momento do pagamento - permitirá uma fiscalização sobre médicos e hospitais que realizam demasiadamente os partos cesáreos.
De acordo com Chioro, será possível, através do documento, verificar se um médico realizou uma cesariana desnecessária, apesar de não haver consequências imediatas para o profissional. O próprio ministro reconhece que, para que algo aconteça, é preciso que uma mãe insatisfeita faça uma denúncia em um dos conselhos regionais de medicina. "Estamos colocando mais uma estratégia para tentar induzir que pelo menos a mulher entre em trabalho de parto", explicou o ministro. Uma terceira resolução é a adoção, pelas operadoras, de uma caderneta da gestante, nos mesmos moldes da usada hoje no Sistema Único de Saúde. Nela, os médicos terão de colocar todas as informações do pré-natal. Ao mesmo tempo, será incluída uma carta com todas as informações sobre os riscos de parto cirúrgico, como o aumento em 125 vezes do risco de parto prematuro. "É uma estatística feia, mas o Brasil é hoje o campeão mundial dos partos cesariana", afirmou o representante da Organização Pan-americana de Saúde (Opas), Joaquim Molina. Em média, 55,6% dos 2,9 milhões de partos realizados anualmente no País são cirúrgicos, mas essa média só baixa porque no SUS eles representam 40%. Um número ainda considerado alto pelo ministério, mas muito inferior ao índice de 84,6% dos realizados por planos de saúde. De acordo com uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz, apenas 5% dos partos no Brasil não têm qualquer tipo de intervenção, como anestesia, medicamentos ou cortes. Informações Bahia notícias.