RAMON FERNANDES APRESENTA SUGESTÕES AO PREFEITO ZÉ COCÁ DURANTE VISITA AOS BAIRROS KM 3 E KM 4

Visite nosso Instagram

terça-feira, 9 de julho de 2019

Cine Auditórium abandonado pelo poder público em Jequié




Cine Auditorium, Teatro Municipal, Palácio das Artes não importa a denominação. O atual governo abandonou definitivamente o prédio que serviu para apresentações de grandes artísticas consagrados  na cidade, Zeu Brito, na Bahia, Armandinho, no Brasil Ari Toledo e no Mundo. Quarteto em si, Filmes de Longa metragem, formaturas glamorosas, encontros, seminários e reunião políticas ali foram realizadas.Tudo no passado, porque no presente seus filhos não tem competência para deixar funcionando nada  público  que serve o povo. Alunos do Antigo colégio CEMES, conta com saudades os dias passados naquelas escadarias junto com o atual prefeito.
Segundo o jornalista Wilson Novaes, entre as décadas de 1960 e meado de 1990, a cidade de Jequié chegou a dispor de três salas de projeções cinematográficas. O Cine Bomfim, na rua Trecchina [chegou a criar uma segunda sala na região do Cilion, no Jequiezinho], Cine Teatro Jequié, na Avenida Rio Branco e o Cine Teatro Auditórium, que foi o último a ser criado na cidade, também na Avenida Rio Branco, integrando um complexo de empreendimentos -o Colégio de Jequié (posteriormente Centro Educacional Ministro Spínola-CEMS) e o Santuário da Imaculada Conceição. Entre os três, o dotado de maior capacidade de público era o Cinema Jequié, com aproximadamente 1500 cadeiras. Além das exibições diárias de filmes nos três períodos, pelos palcos dos cinemas Jequié e Auditório passaram alguns dos maiores nomes da música popular brasileira de várias épocas, programas de auditório com shows de calouros, eventos de cunho político/administrativo e, até lutas livres ocorreram no seu palco. A desativação da totalidade desses cinemas ocorreu na década de 1990. O Cine Bomfim, o primeiro a ser desativado, deu lugar a atual Academia Art Corpus; o Cine Auditórium deu lugar ao Teatro Municipal (Palácio das Artes), adquirido pela Prefeitura em 2007 e, atualmente é mantido fechado.
A casa da Cultura Pacifico Ribeiro funciona devido alguns convênios com associações de arte e pintura, o Museu outro espaço  explorado pelo atual governo, continua funcionando devido esforços de alguns funcionários efetivos que zelam pelo local e conta com um museólogo que com muita luta consegue manter um acervo doado pela Associação Amigos do Museus- ASSAM.
Segundo informações a classe artística existente desde os mais velho aos mais novos tem algum tipo de vinculo com o atual governo e tem o grito amordaçado.