RAMON FERNANDES APRESENTA SUGESTÕES AO PREFEITO ZÉ COCÁ DURANTE VISITA AOS BAIRROS KM 3 E KM 4

Visite nosso Instagram

quarta-feira, 24 de julho de 2019

Programa de combate à Esquistossomose, que estava parado desde o ano de 2014 em Jequié


A Esquistossomose, doença popularmente conhecida como “barriga d’água”, é causada pelo Schistosoma Mansoni, parasita que tem no homem seu hospedeiro definitivo, mas que necessita de caramujos de água doce como hospedeiros intermediários para desenvolver seu ciclo evolutivo. A transmissão desse parasita se dá pela liberação de seus ovos através das fezes do homem infectado. Em contato com a água, os ovos eclodem e libertam larvas que morrem se não encontrarem os caramujos para se alojarem. Se os encontram, porém, dão continuidade ao ciclo e liberam novas larvas que infectam as águas e posteriormente os homens penetrando em sua pele ou mucosas.

A Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Saúde, retomou, neste mês de julho, o programa de combate à Esquistossomose, que estava parado desde o ano de 2014, atendendo somente a demanda espontânea. A ação vem sendo executada pelos agentes de combate às endemias, de acordo com uma programação baseada na incidência e prevalência de casos, nos bairros e localidades, com a distribuição de coletores, de casa em casa, e a prestação de orientações sobre a forma da coleta.

Segundo a prefeitura de Jequié, a partir dessa ação direta, junto aos moradores das comunidades, é realizado o recolhimento das amostras de fezes, que são levadas para exames no Centro de Endemias de Jequié e, em caso de resultado positivo, os agentes retornam até o paciente, que deverá iniciar o tratamento na rede municipal de saúde.

A doença tem uma fase aguda e outra crônica. Na fase aguda, pode apresentar manifestações clínicas como coceiras e dermatites, febre, inapetência, tosse, diarreia, enjoos, vômitos e emagrecimento. Na fase crônica, geralmente assintomática, episódios de diarreia podem alternar-se com períodos de prisão de ventre e a doença pode evoluir para um quadro mais grave com aumento do fígado e cirrose, aumento do baço, hemorragias provocadas por rompimento de veias do esôfago e, ainda, o surgimento de ascite ou ‘barriga d’água’, isto é, o abdômen fica dilatado e proeminente porque escapa plasma do sangue.