domingo, 22 de setembro de 2019

Pedra Santa, Margô do Tangará e as minhas velhas e novas amizades de trilha

Encontrei um amigo de infância e sua família na Pedra de São José



Como diz a minha amiga Helô Sampaio, cronista do Tribuna da Bahia, ex-Jornal A Tarde, novas amizades sempre uma caixa de surpresa.  Nas minhas caminhadas matinais, uma jovem amiga encontro na Landulfo Caribé, fone branco  nos ouvidos, um aceno, passa na contra mão, atualmente mais vista pelo Intagram, Lú Correia (Lojinha da Carol), amiga de 1989. Uma ideia, zapeio, "Lú vamos a Pedra", soa diferente, ela, a Pedra!, sim a pedra da Barragem, Pedra de São José! Ela prontamente , aceita o convite, topo!, vou chamar uma amiga, sim tudo bem! Domingo seis horas, zapeio de volta. Tudo combinado, vou chamar a minha turma, Léo Novaes, Tallys Meira e Leide da Leide Rocha Couro rsrsrsr minha cliente, sempre ligada no movimento, trilheira afinada, com experiência na Chapada Diamantina.  
Tudo bem, convite feito, detalhes conversados.... Os meus convidados de última hora desistiram todos. O que eu vou fazer agora! Não posso desanimar minha amiga Lú, seis hora na porta, surpresa, chega Ronne e a esposa Vânia, vão a pedra? Um sinal de joinha, ufa, já tem gente rsrsrsr.
Seguimos para o posto de Badica, deixamos o carro de Rone e fomos para a pedra de São José, pela pista da Fazenda Velha, asfalto até a porta da Barragem.  18 kms. Chegamos estacionamos e Lú desconfiada..., mochila nas costas, água nos dois bolso da gibreira da mochila e serra acima, e Lú encafifada, o velhinho é top, pensei que tinha um problema na trilha rsrsrsrs. Obstáculo completado a primeira pedra. Uhuuu chegamos. “Lú!  o café é na segunda" ela responde, "xi! não estava no roteiro, mais tudo bem vou nesta aventura",  passagem para segunda pedra, obstáculos que chamamos de “ o desafio”, Lú, arrasou, tirou de letra.
Então, chegamos a Pedra de São José, observamos pouco lixo no local, recolhemos dois sacos grandes, de tênis a garrafas peti e outras matérias indesejáveis.
Fizemos amizade, trocamos Zap, e observamos que o público aumentou significativamente, uma oportunidade de exploração do local de chegada com um aconchegante ponto de apoio com uma estrutura rústica de atendimento aos turistas, água mineral e outros serviços e até um hotel quem sabe.
Final do encontro,  fomos deliciar uma cerveja gelada no Tangará, onde conhecemos Margô, uma garçonete com experiência de Porto Seguro, recebe a nós com um bem vindo em Frances, fomos para o inglês. Welcome! Ela disse, nada disso, risadas, Vânia disse, é das minha risos! Simpática e muito receptiva. O nome dela é Margô,  recepção 10. No Tangará onde comemos uma deliciosa  pititinga com molho rose. Foi assim!

Aproveitamos a campanha do Ser Livre e recolhemos o lixo do local

O encontro com amigos é uma terapia na caminhada na Pedra de São José