domingo, 22 de março de 2020

Você comeria carne de Jegue: ADAB regulamenta procedimentos para abate de jumentos na Bahia

Carne de Jegue será consumida no Brasil


PublicidadeA Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) normatiza processos e procedimentos para o transito e o abate de jumentos através da Portaria nº013/2020, assinada nessa segunda-feira (16.mar.2020), pelo diretor–geral, Mauricio Bacelar, já estar em vigor desde (17.mar.2020) data da sua publicação no Diário Oficial. A portaria foi elaborada conjuntamente pelos técnicos da autarquia e do MAPA (Ministério da Agricultura e Pecuária e Abastecimento) e garante a preservação da espécie e bem-estar dos animais.
 “Desde setembro de 2019 a justiça tinha liberado o retorno do abate dos animais na Bahia, mas nós aqui da ADAB estudamos cuidadosamente a liberação deste procedimento para criar as condições de pecuária de jumentos e garantir o bem-estar dos animais”, disse Mauricio Bacelar.
A preservação da espécie é garantida quando fica proibido o abate das fêmeas no terço final da gestação, do abate dos animais com peso inferior a 90 kg e na limitação de 40% do abate das fêmeas por lote. O bem-estar, também, previsto na portaria é garantido pelas propriedades de triagem e criação ambas, com responsável técnico, vinculado ao frigorífico e com capacidade de recepção e manutenção dos animais dentro das normas técnicas de bem-estar animal. As propriedades serão previamente cadastradas e periodicamente fiscalizadas pelos técnicos da ADAB e deverão ter estrutura de curral, cercas de divisas, bebedouros e alimentação suficiente para os jumentos.
Inicialmente os animais serão abatidos pelo frigorífico de Amargosa, único no mundo credenciado pelo Governo chinês para o abate de jumentos. A carne é utilizada para consumo humano e a pele procurada pela indústria farmacêutica e de cosméticos. Nesse primeiro momento serão gerados mais de 120 empregos diretos no Estado.
Fonte: ASCOM - ADAB