terça-feira, 21 de julho de 2020

A polêmica da ponte do São Judas Tadeu e a prefeitura de Jequié




O Ministério Público sinalizou e a prefeitura prontamente resolveu sem nenhum critério obstruir a ponte que liga o centro comercial de Jequié através da Rua Antonio Orrico, sem ouvir os moradores e nem os comerciantes desta importante via.  “Estamos em uma pandemia do Covid-19, crise surgindo por todos os lados e o movimento que alicerçava o nosso comercio foi brutalmente impedido pela Prefeitura de Jequié, são pais de família que estarão a deriva por um ato impensado das autoridades públicas”, disse um comerciante do ramo de material de construção.

Moradores estão mobilizando uma nova abertura do acesso, eles estima que em poucos dias se a prefeitura não iniciar as obras, que deveriam já estarem em pleno vapor. “Menino, esse dias sem movimento não vendi nada, já estava difícil agora ficou pior”, salientou uma comerciante.

A ponte construída na década de 1990, não tem acesso para pedestres, o vão da ponte malmente dá para passar dois carros de passeio.  A ponte antes desta foi levada pela correnteza do Rio Jequiezinho numa dessas enchentes. O São Judas Tadeu era denominado de “Morre Sem Vela”, há 20 e poucos anos.

Outra reclamação dos moradores do bairro São Judas Tadeu e outras localidades são quanto ao acesso disponibilizado, que não são pavimentados e quando chove vira um lamaçal.
A prefeitura ainda não tem um cronograma para o início da obra, segundo informações falta dinheiro e processo de licitação.

2 comentários:

Unknown disse...

Que alguém me aponte alma ação verdadeirame relevante até agora nesta gestão?

Jeruza disse...

Um absurdo essa interdição da ponte. Concordo que precisa interditar para duplicar e certamente melhorar o acesso ao bairro que a cada dia se desenvolve mais. Os comerciantes têm toda razão de estarem indignados com essa situação.
Eu que sou apenas moradora, saio pouco, tenho automóvel, já é um transtorno.
Imagine para as demais situações e ainda mais nesse período...