terça-feira, 6 de outubro de 2020

ESPAÇO DO LEITOR | Reflexões sobre a segunda pesquisa de intenção de voto em Vitória da Conquista


Na última narrativa que fizemos na rede, nessa blogosfera, afirmei que - “Quando vemos os dados na própria pesquisa, são os pobres que têm sido eleitores cativos do PT ao longo de várias eleições. Aqui, tentaram fazer do atual gestor alguém como seu protetor...só que em quatro anos investiu uma estrutura nababesca numa parte pequena da cidade.

E os pobres? Hoje, de maneira fortuita, descobriram que o uso deletério do populismo local para garimpar voto na pobreza…não deu certo, a pesquisa nos dá essa amostra, afinal, governar para apenas 100 mil pessoas num universo de 400 mil, é uma conta de difícil equação.

Ao estudar os dados divulgados pelo Instituto Hoje.In.Data de Vitoria da Conquista, de 3 de outubro, 2020 num universo de 928 eleitores aptos ao voto, percebo que os detalhes da pesquisa apontam “a consolidação da minha leitura de que, a Princípio, Sêo-Zé vence e Dona-Luciana vence”!

Alguns dados compilados por nós no blog do Paulo Nunes ao mesmo tempo, mostram que os eleitores sentem-se frustrados com o desempenho efetivo dos políticos e o modo pelo qual as instituições políticas funcionam no país.

Assim, registra-se o crescimento do interesse dos eleitores, em todos os seus seguimentos, pela política mas esse interesse e, mesmo, o desejo de influir ou de participar da vida pública são acompanhados de um sentimento de indignação moral que, frequentemente, traduz-se em um voto de protesto que pune, precisamente, governos e partidos que se mostram incapazes de cumprir as expectativas que eles próprios geraram publicamente sobre si mesmos.

Ao lado dos partidos de esquerda, no caso de Vitória da Conquista, a meu juízo há uma alternativa organizacional com opções programáticas parecendo ser responsáveis por um enraizamento societário mais definido, algo não só captado pela pesquisa, mas que inclusive tende a provocar reações nos adversários conservadores da campanha do petista Sêo Zé e da comunista Dona Luciana na corrida à prefeitura...os dados são implacáveis a favor desses dois. “Segundo o levantamento, o petista tem 38,68% das intenções de voto, contra 29,63% do candidato emedebista. Herzem Gusmão Pereira”.

Os dados divulgados pela pesquisa do Hoje In.Data, me dão boas razões para entender aquilo contra o que o eleitor votou em 2016. Porem em minha leitura não explica a motivação negativa desse voto, isto é, a favor do que, precisamente, o eleitor se manifestou.

Por outras palavras, não explica a relação que existe entre a rejeição de certos estilos e certos conteúdos da vida política e as aspirações do eleitor me dão pela política mas esse interesse e, mesmo, o desejo de influir ou de participar da vida pública são acompanhados de um sentimento de indignação moral que, frequentemente, traduz-se em um voto de protesto que pune, precisamente, governos e partidos que se mostram incapazes de cumprir as expectativas que eles próprios geraram publicamente sobre si mesmos.

Os dados da Pesquisa talvez me dêem, a devida razão, talvez me ajudem a responder à essa questão, às aspirações do eleitor, veja: “Dos entrevistados, 14% afirmaram não saber em quem votar e 7,65% disseram que irão votar em branco ou anular. Quanto à rejeição, 37,6% dos entrevistados responderam que não rejeitam nenhum dos nomes apresentados; 30,6% responderam que rejeitam o candidato Herzem Gusmão; 12,82% responderam que rejeitam o candidato Zé Raimundo; 11,74 rejeitam David Salomão; 2,80% rejeitam Maristela Schiavo, 2,37% rejeitam o Cabo Herling, 1,40% rejeitam Ferdinand Martins, Romilson filho é rejeitado por 1,47%. 0,64% dos entrevistados disseram que rejeita todos”

Importante: Geralmente os institutos escolhem uma amostra da população brasileira com base nos dados do último censo: número de homens e mulheres, faixa etária, grau de escolaridade, nível de renda e distribuição geográfica. O universo dos entrevistados deve replicar o perfil demográfico da população.

“Se em uma cidade o censo registra que há cinco mulheres para cada quatro homens, a pesquisa ali terá que trabalhar com a mesma proporção de entrevistados dos dois sexos. Definida a amostra, os pesquisadores saem à rua em busca de um grupo de eleitores que se encaixem naquele perfil. Para que não haja questionamentos a posteriori, o Hoje In.Data no blog do Paulo Nunes traz a informação que “para cada área geográfica, os respondentes são selecionados respeitando-se quotas proporcionais controladas por região geográfica, sexo e faixa etária, de acordo com o perfil da população em estudo e obedecendo ao regime de quotas do TSE de 2020”, e ponderando quanto a sexo, idade, grau de instrução e nível econômico do entrevistado; intervalo de confiança e margem de erro: Você pode conferir tais dados no Blog do Paulo Nunes, de Vitória da Conquista.

Por fim: Essa tendência de voto manifestado nas eleições que seriam hoje 04 de outubro de 2020, reforça as evidências de que há uma insatisfação latente da população com os rumos da vida política em Vitória da Conquista, sob a ótica de pessoas que não foram alcançadas pela gestão publica municipal de Vitória da Conquista...a pesquisa do Hoje In.Data Nova apenas clarifica uma forma da cidade se expressar. Maquiavel, foi, há seu tempo, um dos primeiros a pensar na utilização da opinião pública como manutenção e meio de alcançar o poder, pois, sugere que “a opinião pública pode ser manipulada, mas nunca ignorada” (MAQUIAVEL, 1997 apud CERVI, 2006, p.109) … mas muito provavelmente nos tempos atuais “a opinião pública começa a assumir outras conotações. Passa a ser sinônimo de exercício da democracia e o canal de transmissão dos cidadãos para manifestar suas opiniões e reflexões”. | Bergher, Joilson. Professor de História, Filosofia e Metodologia do Conhecimento Superior.

Um comentário:

Unknown disse...

Pesquisas feitas pelo instituto de Paulo Nunes tem a mesma moral que a datafolha. Ou seja, o mesmo valor que uma cédula de três reais. Rsrs