Homicídio: Acerto de contas no Inocoop termina em morte de ex-presidiário

Visite nosso Instagram

terça-feira, 9 de fevereiro de 2021

O pensamento de líderes religiosos sobre o carnaval será destaque no Debate Petroleiro nesta terça-feira (9)


Religiosidades é a mais nova série do Debate Petroleiro, que começa nesta terça-feira, 9/02, às 21h. O tema “Deus e o Diabo no Carnaval do Brazil” integra o primeiro dia de apresentações, com o pensamento de lideranças de diferentes religiões sobre o maior carnaval da terra.

Se de um lado “religião não se discute, cada um tem a sua ou não tem nenhuma”; do outro, é importante ter em vista o pensamento religioso nos diversos aspectos da vida cotidiana. Com o carnaval, não poderia ser diferente, dadas as mais variadas posições sobre o tema.

Além das exposições dos convidados sobre a dicotomia entre o sagrado e o profano, o debate vai homenagear as músicas e as narrativas do carnaval da crítica social e política, como a participação dos petroleiros na “Mudança do Garcia” em fevereiro de 2020, antes da pandemia do coronavírus.

Estarão presentes ao debate, a participante do Movimento Negro Evangélico, da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, Raquel Matoso; o representante do Coletivo Nacional Espíritas à esquerda, Sérgio Maurício Pinto, o presbítero, teólogo e doutor Honoris Causa, Júlio Lancellotti e o único líder religioso do ocidente a receber o prêmio Liberdade Religiosa Internacional (IRF), em julho de 2019 do Departamento de Estado do Governo dos Estados Unidos, o Babalawô Ivanir dos Santos.

As séries do Debate Petroleiro objetivam promover discussões que contemplem estratégias e desafios enfrentados pelos movimentos sociais, com foco nos negros, nos indígenas, nos LGBTQIA+ e nos feminismos.

O propósito é fortalecer as lutas de enfrentamentos aos preconceitos, desigualdades e discriminações, que segregam e boicotam as diversas formas de existir e resistir em um mundo tensionado pelo discurso maniqueísta e dual: o certo e o errado, o local e o global, a diversidade e a universalidade.

A série Religiosidades começa nesta terça-feira, 9/02, às 21h. A sua participação é fundamental. Comente, compartilhe e curta os perfis do Debate Petroleiro no Facebook e no YouTube e ajude a monetizar o programa. Em uma sociedade plural, até mesmo não escolher ou votar nulo já é uma escolha.

Participam do Debate:

Júlio Renato Lancellotti - Teólogo, pedagogo especializado em Orientação Educacional na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, trabalhou no Serviço Social de Menores, que, mais tarde, se transformou na Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, e no Centro de Apoio ao Imigrante, no Brás. Foi ordenado sacerdote em 20 de abril de 1985. É presbítero católico e exerce a função de pároco da Paróquia de São Miguel Arcanjo no bairro da Mooca, na cidade de São Paulo.


Raquel Matoso - Formada em História pela UERJ, participante do Movimento Negro Evangélico, da Frente de Evangélicos pelo Estado de Direito, do Liga Preta e da Educafro, como voluntária. Seu projeto de vida atualmente é viver o Jesus Cristo Negro todos os dias e fazer com que as estruturas racistas na sociedade e na igreja sejam desmontados, através da educação.


Sérgio Maurício Pinto - Graduado em Engenharia Elétrica e Filosofia, mestre em Ciências Sociais, servidor público federal e membro do Coletivo Nacional Espíritas à esquerda.


Ivanir dos Santos Babalawô - Professor e orientador no programa de Pós-graduação em História Comparada da Universidade Federal do Rio de Janeiro, pós-doutor em História Comparada pela UFRJ, foi o único líder religioso do Ocidente a receber o prêmio Liberdade Religiosa Internacional (IRF), em julho de 2019 do Departamento de Estado do Governo dos Estados Unidos, durante evento em Washington, pela sua importância na luta contra a intolerância a praticantes de religiões de matriz africana no Brasil. É autor do livro “Marchar Não é Caminhar: interfaces políticas e sociais das religiões de matriz africana no Rio de Janeiro”, resultado da sua tese de doutorado em História Comparada.

Nenhum comentário: