Zona rural da região de Florestal está sem sinal da Vivo há 30 dias

Visite nosso Instagram

sábado, 30 de agosto de 2014

Audiência Pública debate Gestão hídrica da Barragem de Pedra


O Ministério Público Federal e a Promotoria Regional do Meio Ambiente de Jequié realizaram na manhã desta sexta-feira (29/08), na Câmara de Vereadores de Jequié, Audiência Publica para debater a gestão hídrica da Barragem de Pedra. A iniciativa atende a uma representação formulada por várias associações de moradores e usuários de água da Barragem de Pedra. Os ribeirinhos questionam a vasão do volume de água da barragem, trazendo assim problemas ambientais e redução na produção agrícola. Essa diminuição no volume de água vem criando um cenário de seca na região.
Foram discutidos a gestão e o aumento da vazão defluente do reservatório da Barragem da Pedra, que é gerida pela Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), além de suas implicações e riscos à segurança hídrica da região.Participaram do encontro o Procurado da República, Dr. Flávio Pereira da Costa Matias; a Promotora de Justiça Regional Ambiental, Dra. Mônia Lopes de Souza, os representantes da Companhia Hidrelétrica do São Francisco – CHESF, Alysson Souza Barreto Santos (Advogado); Manuel Castro San Martin (Gerente Regional de Operação); Josiane Holz (Divisão de Gestão de Recursos Hídricos); Jorge Duque, representando o INEMA; Aurelino Barros Meira, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio de Contas; Marcos Airton de Souza Freitas – Agência Nacional de Águas e Wilde Cardoso especialista em Recursos Hídricos (ANA); representantes das associações da Barragem de Pedra, vereadores Soldado Gilvan, Chico de Alfredo; Eliezer Filho; José Simões e a prefeita Tânia Britto. 
O debate serviu para que os órgãos ambientais apresentassem a realidade e situação da Barragem de Pedra.
Segundo a Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), o volume de água acumulado da Barragem de Pedra é de 25% em virtude das estiagens prolongadas. A projeção para o final deste ano é de 20% na sua operação. No ano de 2013, o volume chegou a 8%.
A Promotoria Regional do Meio Ambiente cobrou maior fiscalização por parte dos órgãos ambientais, e solicitou apoio da imprensa na conscientização da população para reduzir o desperdício de água.