Vereador João Paulo: Crianças visitam gabinete da Câmara Municipal

Visite nosso Instagram

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

Formação Inicial para Alfabetizadores e Coordenadores do Programa Brasil Alfabetizado em Jequié



A Rede Municipal de Ensino de Jequié realiza nos dias 10, 11, 12, 24 e 25 de setembro no auditório da Secretaria de Educação da Formação Inicial para Alfabetizadores e Coordenadores do Programa Brasil Alfabetizado.
O evento foi iniciado com a realização da palestra com o tema “Educação e Saúde: Uma parceria em prol da qualidade de vida dos Jovens, Adultos e Idosos”, proferida pelo Dr. Leandro Bertoldi, Médico Brasileiro integrante do Programa “Mais Médicos" do Governo Federal. Estiveram presentes no evento a prefeita Tânia Britto; o secretário de Educação, João Magno Chaves; Zilma Limeira Gestora, do programa Brasil Alfabetizado, e Lilian Pereira Guedes professora e diretora do departamento de projetos da Secretaria Municipal de Educação. 
Durante os cinco dias de formação alfabetizadores e coordenadores participarão de oficinas relacionadas ao programa. De acordo com o médico Leandro Bertoldi, “Uma pessoa educada, adoece menos, onera pouco o serviço público e vive com felicidade”, pontou.
O programa criado em 2003 pelo Ministério da Educação e Cultura - MEC, é voltado para a alfabetização de jovens, adultos e idosos. Em Jequié, o programa foi iniciado em 2008 atendendo a pessoas a partir dos 15 anos ou mais, adultos e idosos. Este ano de 214, cerca de 900 pessoas estão sendo alfabetizadas nas 34 turmas da sede e 41 na zona rural. O trabalho é desenvolvido por 84 alfabetizadores e 12 coordenadores. Para a execução do programa o Governo Federal investe R$ 112 mil através de apoio técnico na implementação  de ações visando garantir a continuidade dos estudos aos alfabetizandos.
Para a prefeita Tânia Britto a alfabetização é um direito do cidadão. “Precisamos investir na formação destas pessoas, pois elas representam o futuro do nosso município. Tudo isso é um compromisso, um avanço na nossa educação”, concluiu.
O trabalho é desenvolvido de forma voluntária. Os alfabetizadores recebem uma bolsa de auxílio de R$ 400 reais e os coordenadores de R$ 600,00.  De acordo com Zilma Limeira, Gestora do Programa, a formação tem sido um diferencial na introdução do conhecimento para pessoas que estão fora da escola.
O Brasil Alfabetizado é desenvolvido em todo o território nacional com o atendimento prioritário a municípios que apresentam alta taxa de analfabetismo, sendo que 90% destes localizam-se na região Nordeste.
O secretário de Educação, João Magno, definiu o Programa Brasil Alfabetizado como um desafio para o crescimento do campo educacional e na formação da cidadania.
O programa Brasil Alfabetizado visa promover a superação do analfabetismo entre jovens com 15 anos ou mais, adultos e idosos e contribuir para a universalização do ensino fundamental no Brasil. Sua concepção reconhece a educação como direito humano e a oferta pública da alfabetização como porta de entrada para a educação e a escolarização das pessoas ao longo de toda a vida.