segunda-feira, 5 de agosto de 2019

FABRICIO BORGES E MAIS DUAS TESTEMUNHAS FORAM OUVIDAS PELA CPI QUE APURA DENÚNCIAS DAS REFORMAS DE PRÉDIOS ESCOLARES EM JEQUIÉ





A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), criada pela Câmara Municipal de Jequié para apurar denúncias relacionadas à aplicação de verbas oriundas do Fundeb em reformas de prédios escolares do Município, esteve reunida no plenário da Casa, nesta quinta-feira (01.ago.2019) três pessoas foram ouvidas, por mais de 4 horas, nesta primeira audiência de oitiva de testemunhas: Fabrício Borges (ex-secretário municipal de Infraestrutura), Eduardo Cruz (engenheiro) e Ludmila Carvalho (funcionária lotada na secretaria de Educação). Iniciada às 8h30min., a sessão transcorreu normalmente, sendo encerrada às 13 horas. Ao longo deste período foram feitos questionamentos quanto à sublocação de serviços, liberação de recursos financeiros sem a devida medição das obras pela secretária de Infraestrutura, serviços extras fora do âmbito do contrato, dentre outros.

Participaram das oitivas os membros da Comissão Processante,
vereadores Beto de Lalá, Zé Simões, Guina Lopes, Joaquim Caíres e Colorido, além dos vereadores  Soldado Gilvan e Reges Pereira da Silva, o procurador jurídico da Câmara, Augusto César Ribeiro e os advogados indicados pelo prefeito. A próxima sessão está marcada para a próxima sexta-feira, dia 9 de agosto, às 8 horas da manhã, no mesmo local. Consta da relação de pessoas que deverão ser ouvidas o prefeito de Jequié, Sérgio da Gameleira, o proprietário da empresa BMV Construções e Incorporações Ltda., os ex-secretários de Educação Roberto Gondim e Graça Bispo, das testemunhas apresentadas pelo prefeito entre outros.

O Requerimento com pedido de criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi protocolado na Câmara Municipal de Jequié pelo vereador Soldado Gilvan, no dia 21 de maio de 2019, com a justificativa de apurar denúncias de possíveis irregularidades praticadas pela atual gestão municipal. “[O Requerimento] se faz mais que necessário em virtude da exposição pública feita nesta tão honrada Casa de Leis, pelo Conselho Municipal de Educação e pela Comissão de Acompanhamento e Fiscalização de reforma das escolas da rede municipal, onde apresentou várias irregularidades encontradas durante as visitas das obras de escolas reformadas, estas com a utilização de recursos oriundos de precatórios do FUNDEF”.