Zona rural da região de Florestal está sem sinal da Vivo há 30 dias

Visite nosso Instagram

quarta-feira, 11 de dezembro de 2019

Jequié: É preciso falar sobre depressão, suicídio.


Por Geovana - Jornalista

04 PublicidadeEm tempos de uma sociedade repleta de problemas psicológicos, depressão e ansiedade, o cuidado com a saúde mental deveria ser uma das prioridades dos governos que se preocupam com o bem estar de sua população. Em Jequié, nos últimos meses, o número de suicídios aumentou assustadoramente para uma cidade de 160 mil habitantes. Nossos jovens estão morrendo. Não conseguimos entender, procuramos motivos para explicar, mas aceitar é impossível. Nossos jovens precisam de ajuda, nossa sociedade precisa de acompanhamento psicológico. 
Na era tecnológica em que estamos em tantos lugares ao mesmo tempo, nos esquecemos de olhar com atenção para o que nos rodeia. Ou olhamos e não vemos. Precisamos todos de ajuda. Necessitamos nos preocupar com o outro, nos atentar para comportamentos suspeitos e nos pôr à disposição para quem precisar desabafar. Mas esse trabalho não é apenas individual de cada ser humano, a gestão política precisa dar subsídios para que quem precise de ajuda médica possa encontrá-la. A luta contra o suicídio é uma responsabilidade de todos.
Com um tratamento de qualidade, de fácil acesso e em tempo hábil, as chances de evitar que as pessoas tirem suas próprias vidas aumenta. O acompanhamento psicológico para quem já apresenta os sintomas de doenças mentais é fundamental para transformar a saúde dessas pessoas. Para aquelas que não apresentam nenhum sintoma ou que de forma alguma imaginamos ter dores que os façam querer tirar a própria vida, devemos ser gentis uns com os outros. Tratar as pessoas com educação, ter responsabilidade afetiva, ter cuidado com o outro, seja um conhecido ou não. Precisamos discutir o assunto em nossas escolas, universidades, ambiente de trabalho e locais religiosos, é preciso falar sobre depressão, suicídio. 
Precisamos de palestrantes que falem sobre o assunto, é grave e precisa ser discutido. A gestão governante precisa se preocupar a essa problemática e desenvolver ações que ajudem essas pessoas. Na gestão de Roberto Britto foi criado o CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) que funciona até hoje. Roberto Britto já tinha essa preocupação com a saúde mental dos jequieenses e investiu para que pudessem ter um atendimento de qualidade. E não para por aí, não basta ter o acompanhamento psicológico, é necessário também disponibilizar atividades para que as pessoas possam ocupar a mente e desenvolver habilidades em diversas áreas que contribuam para o desenvolvimento pessoal do ser humano.
 Roberto Britto investiu no esporte, onde tirou muitos jovens da inércia e os permitiu realizar atividades edificantes. Ele investiu também na educação para que esses jovens tivessem um bom ensino que os garantisse boas oportunidades em universidades e no mercado de trabalho. Investiu em pautas sobre lazer e cultura, para garantir que todos pudessem ter acesso a momentos lúdicos de qualidade. Ele fez isso e muito mais. E é isso que todo governante deve fazer, se preocupar com os problemas de seu munícipio e buscar maneiras para solucioná-los. Jequié precisa de ajuda psicológica e suportes extras para fazer com que as pessoas não tenham sequer a oportunidade de pensar em suicídio, precisamos descobrir juntos como ajudar nossa população. Que o próximo gestor, seja quem for, siga os passos de Roberto Britto e se preocupe com a saúde mental dos jequieenses.