Setembro Amarelo: Instituto Mãos oferece Plantão Psicológico gratuitos

Visite nosso Instagram

sábado, 11 de abril de 2020

Presidente da Câmara diz que falta ação social para as famílias carentes por parte do prefeito



PublicidadeNada justifica a Prefeitura de Jequié continuar atrasando o pagamento dos salários dos servidores públicos municipais, dos contratados pelo regime Reda e terceirizados, como vem ocorrendo. A crítica é do vereador Emanuel Campos, Tinho (PV), presidente da Câmara Municipal, que também lamenta a falta de ação social da atual gestão local para socorrer a população de baixa renda do Município que vem sofrendo duramente as consequências da pandemia do novo coronavírus. Segundo Tinho, o argumento de que a arrecadação vem sofrendo queda não convence para justificar atrasos nos pagamentos dos trabalhadores nem para a compra de cestas básicas.

Cita que, somente no último mês de janeiro, o Município teve uma arrecadação acima de R$ 27 milhões, ou seja, R$1,7 milhões a mais em comparação a janeiro de 2019. Em fevereiro de 2020, o Município arrecadou mais de R$29 milhões, o que significa um aumento de R$2,3 milhões se comparado a mesmo mês do ano passado e já no último mês de março a arrecadação foi de quase R$27 milhões, representando um acréscimo de R$1,2 milhões acima de março de 2019. Em linhas gerais, somente nos três primeiros meses deste ano, a Prefeitura arrecadou nada menos do que R$83.228.611,94 (oitenta e três milhões, duzentos e vinte e oito mil, seiscentos e onze reais e noventa e quatro centavos), enquanto que no primeiro trimestre do ano anterior a arrecadação foi de R$76.627.699,13, uma diferença de R$6.600.912,81.


Com relação a ausência de políticas sociais para socorrer a população de baixa renda, Tinho lembra que muitas cidades, inclusive de menor porte, têm atuado no sentido de atender famílias em situação de vulnerabilidade social com a distribuição de cestas básicas, com alimentos, produtos de limpeza e higiene pessoal. “Temos visitando as comunidades e as pessoas têm questionado a ausência de políticas públicas voltadas para a periferia nesse momento tão crucial, onde nada pode faltar para evitar o agravamento da situação que é muito delicada. A grita é geral e as cobranças são justas porque temos muita gente precisando de atenção e uma Prefeitura que, ao meu ver, reúne condições econômicas para atender essa demanda”, enfatizou.

O vereador também diz estranhar as recentes publicações no diário oficial do município, licitação de reforma de uma escola por 4 milhões, além do termo de homologação do pregão presencial 043/2019, cujo objetivo é a contratação de empresa para prestação de serviços técnicos especializados e fiscalização de obras do Município no valor global de R$2.050.383,00. “Gostaríamos de entender como a Prefeitura anuncia um contrato milionário como este, bem como não conseguimos compreender a gestão fazer, neste mês de abril, aviso de licitação – pregão eletrônico nº 010/2020 com a finalidade de contratar empresa para aquisição de kits de livros para atender professores e alunos do ensino fundamental, kits de cadernos e material pedagógico para atender a rede municipal de ensino e o programa AJA, material que já é oferecido gratuitamente pelo MEC, infelizmente o Precatório FUNDEB não está deixando nenhum legado ao município, além da má utilização. Acreditamos que o gestor deve uma satisfação à sociedade”, observa.

*Texto elaborado pela assessoria de imprensa do Vereador Tinho

Nenhum comentário: