Prefeitura de Jequié contesta matéria de radialista sobre a escola Joana Angélica em Itajuru

Visite nosso Instagram

terça-feira, 4 de agosto de 2020

Espaços culturais de matriz africana em Jequié receberá recursos advindos da Lei Federal de Emergência Cultural

Na foto: Astro Brayner, domingos ailton e Alysson Andrade em visita

Com o intuito de estimular a manutenção do respeito às diferenças culturais e aos costumes dos povos ancestrais, além de diagnosticar as dificuldades enfrentadas pelos espaços culturais de matriz africana, que foram impactados com o advento da pandemia do novo Coronavírus. A Secretaria de Cultura e Turismo, pretende nortear a construção coletiva de um plano de aplicação dos recursos advindos da Lei Federal de Emergência Cultural, com vistas à adoção de medidas voltadas aos trabalhadores da cadeia produtiva da cultura, bem como espaços destinados às manifestações artísticas e culturais locais.

Com o intuito de estimular a manutenção do respeito às diferenças culturais e aos costumes dos povos ancestrais, além de diagnosticar as dificuldades enfrentadas pelos espaços culturais de matriz africana, que foram impactados com o advento da pandemia do novo Coronavírus. 

A  Secretaria de Cultura e Turismo, realizou uma visita técnica, na tarde desta segunda-feira, dia 3, em cinco dos mais tradicionais terreiros de candomblé existentes na cidade. Na ocasião, estiveram presentes o secretário de Cultura e Turismo, Alysson Andrade, acompanhado do diretor de Programas e Projetos, Astro Brayner, além do escritor, Domingos Ailton Ribeiro de Carvalho.

A agenda pública percorreu importantes terreiros locais a exemplo do ‘Ylê Yia Oshum’, localizado na comunidade do Km 3, liderado pela mãe Jane; do ‘Ilê Axé Horomilá’, de mãe Landa; ‘Terreiro de Ogum’, de mãe Losinha; além de outros espaços tradicionalmente dedicados às manifestações ancestrais da cultura afro-brasileira, liderados por mãe Betinha, filha de mãe Nininha Preta, e Maria Xangô, e mãe Ziu, que atua no ‘Centro de Umbanda Caboclo Gentileiro’, localizado no bairro Joaquim Romão.

Durante as visitas, foi constatada a interrupção de diversas atividades que, anteriormente a pandemia, eram realizadas regularmente nestes espaços, como as festas aos orixás, oferecimento de carurus, dentre outros costumes de matriz africana, gerando prejuízos culturais e materiais no que toca à manutenção dos terreiros.

A iniciativa da Prefeitura de Jequié, através da Secretaria de Cultura e Turismo, pretende nortear a construção coletiva de um plano de aplicação dos recursos advindos da Lei Federal de Emergência Cultural, com vistas à adoção de medidas voltadas aos trabalhadores da cadeia produtiva da cultura, bem como espaços destinados às manifestações artísticas e culturais locais.

Nenhum comentário: