Execução na Feirinha do Joaquim Romão soma 61 homicídios este ano, fazendo mais uma vítima da violência urbana em Jequié

Visite nosso Instagram

terça-feira, 9 de novembro de 2021

Essas são as humildes palavras de um homem Livre e de Bons Costumes

Nascí em Jequié no dia 31 de março de 1965. Exatamente um ano após a Revolução Constitucionalista, a qual muitos chamam de Golpe Militar. Estudei toda minha vida em escolas públicas. Terminei o 1º grau no ano de 1980 e ingressei em 1981 no primeiro ano Básico, como era chamado naquela época e em 1982 ingressei na carreira do magistério, no Curso chamado Normal, no Instituto de Educação Régis Pacheco, concluindo em 1983. Mais tarde ingressei na Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia para começar o curso de Ciências, onde me habilitei em Química. Passei a lecionar em escolas particulares no Bairro do Jequiezinho. No ano de 1988 prestei concurso para lecionar na rede municipal, conseguindo passar em segundo lugar na colocação geral. Comecei a minha vida de professor na escola pública em 01 de março de 1989. Naquela época alguns funcionários tinham regime celetista e outros eram estatutários. No ano de 1991 o prefeito Luiz Amaral fez a unificação dos funcionários, passando todos ao regime estatutário. Na época, ainda não tínhamos plano de carreira, mas em 1998 foi aprovada a Lei 1445 para a carreira do magistério municipal, onde no seu parágrafo III trata da Valorização dos Profissionais do Ensino. Logo depois, em 21 de maio de 2004, foi aprovada a Lei nº 1613 que regulamentou a remuneração do magistério público do município. Como vocês podem observar, tudo que consegui até hoje na minha vida profissional, foi com esforço e respeito à legislação vigente. O motivo da minha manifestação é a indignação e frustração que estou tendo, por saber que o atual Prefeito desta cidade, Sr. Zenildo Brandão, também presidente da União das Prefeitura da Bahia UPB, enviou no dia 15 de outubro de 2021, um projeto que tira tudo o que consegui, com trabalho, desempenhando de forma honrosa o meu papel de professor. São 32 anos ininterruptos, sem pedir nenhum dia de licença prêmio ou médica. Quero salientar que em junho de 2020 o STF proibiu os estados e municípios reduzir salários dos funcionários públicos. Sei que essas palavras não surtirão efeito nenhum, pois quem as transmite é um reles professor de escola Fundamental II, mas deixo aqui a minha indignação de ver cair por terra tudo o que fiz por merecer e eu pensei que levaria para a minha aposentadoria.


Jequié, 08 de novembro de 2021

Justino Sá Barros Neto ∴

Nenhum comentário: