Joaquim Caíres quer marcação e agendamentos de exames e consultas por meio digital na rede de saúde

Publicidade

segunda-feira, 11 de abril de 2022

Luta corporal de alunos da rede municipal de ensino de Jequié chama atenção

A luta corporal envolveu três alunos que foram separados por duas pessoas

 O Blog www.zeniltonmeira. com tem recebido imagens de brigas e desentendimentos por motivos fúteis nos colégios da rede municipal de ensino de Jequié. O fato tem chamado a atenção de pais e alunos que estão temerosos. Esta fotografia foi um print de um vídeo realizado no distrito de Florestal, zona da mata de Jequié, na escola Landulfo Caribé, uma das maiores unidades escolar da localidade.


"As escolas precisam de apoio e estrutura para que o seu funcionamento seja seguro. Um tempo muito extenso, devido a pandemia, manteve os estudantes afastados sem o contato social extenso. Por isso, a escola precisa se preparar para esse novo tempo que é o início das aulas pós pandemia. A escola jamais será a mesma após o intervalo de aulas imposto pela pandemia.
Que esse vídeo sirva como um instrumento de denúncia e não como um reforço do preconceito contra as escolas públicas. Pensemos", assegurou a coordenadora da APLB Jequié Caroline Moraes.

Segundo informações as agressoras foram suspensas das atividades escolares. A secretária de Educação de Jequié  professora Elvia Sampaio, divulgou nos meios de comunicação “Nós, da Educação, temos feito diversas ações com o objetivo de orientar e alertar os nossos alunos sobre os problemas decorrentes do envolvimento deles com as drogas, com álcool e com a violência. Temos o apoio da Guarda Municipal, com o patrulhamento escolar, que vem sendo intensificado e uma grande parceira com o 19º Batalhão de Polícia Militar, que tem prestado apoio com a Ronda Escolar e vem executando as palestras nas escolas por meio do Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência, o PROERD, voltado à prevenção ao uso de drogas e às ações de violência entre os jovens. Tudo como parte do apoio às estratégias pedagógicas que temos executado, junto com o diálogo constante com os estudantes, no intuito de ajudá-los do desenvolvimento crítico sobre os problemas decorrentes do uso de drogas e álcool.”, disse.



3 comentários:

Benedito Freire Sena disse...

Aquele bonito prédio na Av. Rio Branco que querem torrar nos cobres poderia ser requalificado para atividades educacionais , culturais ,sócios culturais, com políticas regulares para os jovens . Aquele que abriga os restos mortais da biblioteca que o governo Zé seu secretário Hassan , a câmara vão alimentar a fome da especulação imobiliária da cidade Só.Desculpem é Sol

Benedito Freire Sena disse...

Casos de brigas , drogas nas escolas , desrespeito aos professores há muito são registrados pelo Brasil e chegaram por aqui na esteira das doenças da nova ordem nacional. As medidas preventivas é que demoraram . A cidade está linda por fora , pelo centro , bem superficial. Existe uma parábola que define bem tudo isso : a do sepulcro caiado .....

Unknown disse...

Todo esse desfeito a professores e até mesmo com os pais, se chama Estatuto do menor e do adolescente, que os próprios pais fossem proibidos de corrigirem seus filhos, na minha época eu apanhava de vara e chinelada, criança podia trabalhar com o pai, e isso não era trabalho escravo, desde esse estatuto a violência tem aumentado, uso de drogas e roubos. Pois o tempo que os menores tem para outras atividades como o trabalho é ocupado nas esquinas e vielas fazer tráfico, uso de drogas e esquematizado roubos e furtos.
Os pais desses adolescentes que estão nessas imagens já são frutos do estatuto, são aqueles que se o filho falar em casa que o professor falou a algo a mais que ele não gostou os pais vão a escola querer bater no professor, sem ao menos querer saber o que os filhos aprontaram na escola. O mundo está mudado.