Joaquim Caíres quer marcação e agendamentos de exames e consultas por meio digital na rede de saúde

Publicidade

sexta-feira, 24 de junho de 2022

Jequié retoma sua maior festa com organização e segurança.


(Veja Vídeo) Depois das Micaretas, o município de Jequié optou pela realização do São João. Uma festa que requer muita organização de todos os setores tanto públicos, quanto privados. A festa não pode ser realizada meia boca, por Jequié ser sede regional tem que fazer o diferencial, com contratos de artistas de renome nacional, para atrair turistas e filhos da terra que estão em outras localidades. A festa também precisa prestigiar a prata da casa e artistas da região, sem ser preciso humilhar-los, reduzindo os cachês.

O investimento segundo a Prefeitura Municipal de R$ 3.8 milhões, busca gerar divisas de mais de R$ 40 milhões aos cofres públicos do município com o turismo e outras formas de arrecadação.

A sensibilidade da atual gestão com os recursos e cobrança de novos impostos a exemplo da Cosip, para cuidar da iluminação pública, sem sair investimentos dos cofres da prefeitura atualmente rende mais de R$ 6 milhões ano, sem falar dos recursos da regência, tirado dos professores na ordem de R$ 1.5 milhões mês. Sem falar da requalificação do setor de Tributos, que a prefeitura tem faturado mais.

Portanto, o prefeito Zé Cocá tem tido sorte e esperteza para administrar os recursos. Com isso, o Município de Jequié pode fazer sim,uma festa muito mais atraente, trazendo melhorias para sua população. Pagando seu acordos comerciais com folga, apesar de informações estarem chegando ao BZM, que prestadores de serviços, estão sem receberem desde março de 2022.

4 comentários:

Caroline disse...

É importante esclarecer que a gratificação regência é paga com recursos do Fundeb que é uma verba federal destinada ao investimento apenas na educação municipal, especialmente no pagamento da folha da educação. Essa gratificação nunca foi paga com recursos próprios do município. Isso significa que a suposta economia feita a custa do sacrifício de um direito dos professores, jamais pode ser investida em outro segmento que não seja na educação.

Benedito Freire Sena disse...

Será que depois dessa gastança vão continuar com a determinação de apelar para os conchavos e arrumar a venda do prédio que abriga a
biblioteca , ao invés de requalificar e oferecer aos jovens uma usina de conhecimento para a vida toda . Dinheiro para o pão e o circo de um São João longe dos padrões culturais utilizados principalmente após 2005 no São João de Jequié foram abundantemente utilizados. Enquanto isso o Reino encantado da Câmara de Vereadores com requerimentos e indicações dos duendes vereadores ficam a solicitar implantação de acesso a informática quando a secretária de educação não te plataformas com curso de e aperfeiçoamento, profissionais , psicólogos . A secretária faz um concurso com esteriótipos das miss em pleno São João da Vila ( isso também foi feito no passado com os meus protestos ) .Enfim , enquanto isso as notícias das periferias enchem as redes sociais de sangue de jovens e a cara de um presidente com arminha na mão que alimenta esse mundo de asfalto vindo por emendas de quem sustenta estes falsos poderes

Benedito Freire Sena disse...

Fazer São João com os cofres abarrotados é bem fácil , criar uma estrutura cultural , educacional , e um legado de estadista é que é o X do problema

Rita Côrtes disse...

Associar o pagamento de professores/as ao engessamento dos investimentos da prefeitura é demonstração de falta de conhecimento acerca do recursos da educação. É um comentário raso, infeliz e beira o amadorismo de quem deveria passar informações ao público com responsabilidade e imparcialidade.