Programa "Morar Melhor" inicia reforma de mais uma casa na Rua Nestor José dos Santos em Jitaúna

Publicidade

sexta-feira, 19 de agosto de 2022

Profecia se cumpre em Jequié: Kombi vira ônibus

Cooperativa vem fazendo precariamente o transporte de pessoas em Jequié Foto: Zenilton Meira

No passado a população fazia comentários que o empresário dono da extinta empresa de ônibus Tiradentes do ( proprietário Dalmar), uma empresa genuinamente jequieense, teria comprado 90 Kombi. A piada, para quê? A resposta! Para dá ração, engordar e virar ônibus.

O que no passado era apenas piada tornou-se realidade na Cidade Sol. Atualmente o prefeito Zé Cocá, eleito com 30 mil votos válidos, contra 27 mil do segundo colocado, para resolver a situação caótica do transporte coletivo que, em tese, atenderia os mais de 160 mil habitantes, ressuscita a idéia outrora divulgada como diversão. Hoje, porém, não há nada de engraçado na contratação de cooperativa de Vans/Kombi para suprir uma demanda bem maior. Basta analisar que os referidos veículos só contam com mais ou menos oito poltronas, para atender os milhares de trabalhadores que precisam trabalhar as centenas de pessoas que se deslocam de suas residências para o centro, a fim de resolver os mais variados assuntos. De 40 lugares (ônibus), para oito ou 10 Vans/Kombi a diferença é estúpida, não precisa de matemático para isso.

De acordo com informações da empresa, dona da concessão pública, a Expresso Rio de Contas, o setor vem passando por dificuldades devido a falta de repasse da Prefeitura Municipal de Jequié, de subsídios assegurados pelo governo federal, que o executivo não tem cumprido.

A população tem cobrado o retorno da normalidade do transporte coletivo. Segundo pessoa que foi ouvida, dona Vera, que reside no Residencial Segredo no bairro do Curral Novo esta situação tem prejudicado sua vida e de milhares de estudantes daquela comunidade. “Meu filho está perdendo aulas pela incerteza do transporte coletivo de Jequié”, contou.

Com a inadimplência da Prefeitura nos repasses dos subsídios para a Expresso Rio de Contas desde a década de 90 do século passado, foi surgindo o transporte alternativo feito pelas moto taxistas, única alternativa à época. Atualmente, segundo informações, são mais de duas mil pessoas trabalhando diretamente com o segmento na cidade. Com a brecha, surgiram também o transporte de vans a partir da pandemia, e os Aplicativos tipo UBER.

Quem mais são prejudicados são os idosos que vêem seus direitos cerceado, impossibilitados de usar o passe do idoso, lei constitucional válida para quem tem mais de 65 anos, além claro dos estudantes, que, supostamente, teriam direito da meia passagem.

A celeuma está posta. Quando será resolvido só os céus sabem. Enquanto isso os funcionários da empresa Expresso Rio de Contas, que estão em greve, por falta dos seus vencimentos, a população que vem se virando como pode, (vai notar que a falta, não faz falta,será?) e, com a varinha mágica, que o prefeito disse não ter, deveria, o transporte de Jequié será mesmo de vans/kombi, sem comer ração para crescer, permanecendo nanicos.

Um comentário:

Benedito Freire Sena disse...

As kombis eram conhecidas como " Jesus tá chamado " devido a sua lataria frágil . Qualquer batida era fatal . E impressionante como as coisas relacionadas com a vida do povo trabalhador, saúde , educação , cultura , transporte público , são sempre difíceis e tratada co desdém . O Centrão via orçamento secreto uma das maiores roubalheiras do Brasil , possibilitou tapetes de asfalto e cascalho fora os cofres públicos cheios segundo a comunicação institucional cem milhões em obras via recursos , venda de bens públicos como o prédio da biblioteca central , e mesmo assim retornam com vans e com as populares : Jesus tá chamando . Ser prefeito e vereador é bem fácil , resolver os problemas cruciais , do dia a dia , do povo trabalhador é que é o X do problema . Estamos perto de voltar para velha biblioteca de 1943. Jesus que nos salve